ADOLESCENTES MOBILIZADOS/TERRITÓRIOS IRRADIADORES

Paulo Biografias

Biografias Marcos

EXPOSIÇÃO ITINERANTE: “EU E MEU LUGAR”

foto7 foto8 foto6 foto5 foto4 Foto1 Foto2 Foto3 foto9 foto10 Foto11 foto12 foto13 foto14eu

Adolescentes Mobilizados/Territórios Irradiadores

A Plataforma dos Centros Urbanos traz uma perspectiva diferenciada para olhar o município: a territorialização. Considerando que um grande centro urbano contém, em si mesmo, grandes desigualdades internas, a PCU propõe um olhar intramunicipal, que objetiva melhorar os indicadores das áreas mais críticas, promovendo um desenvolvimento com mais equidade. Este projeto se baseia nesse conceito para propor a discussão de “Territórios Irradiadores” de boas práticas e de desenvolvimento, focando a sua atenção, principalmente, na participação ativa de adolescentes e jovens e no fortalecimento da relação da comunidade com as escolas de Educação Infantil.

Área geográfica de atuação: 10 Territórios de São Luis (escolhido entre 30 territórios)

Objetivos:

  1. Garantir e qualificar a participação de adolescentes na PCU com as metodologias desenvolvidas, fomentadas e potencializadas pelo Formação: Adolescentes Mobilizados, Centrais de Mídias Alternativas,  Nucel e Fóruns da Juventude.
  2. Fortalecer a REJUPE
  3. Promover ações de aproximação da Comunidade com 10 Creches nos territórios de ação da PCU em São Luis.

Público:

Direto: 300 jovens de territórios prioritários para a PCU em São Luís

Indireto: 900 jovens (alcançados pelas atividades de mobilização a serem desenvolvida pelos próprios adolescentes).

PARTICIPAÇÃO DE ADOLESCENTES

 A PCU prevê e defende a participação efetiva de adolescentes nas discussões sobre a redução das desigualdades em seus próprios territórios. Considerando a importância dessa participação, mas também a ausência dessa prática nos territórios de São Luís, acreditamos ser necessária a implementação de um processo gradual de empoderamento dos adolescentes, para o qual elegemos a metodologia das “Competências para a Vida”, já desenvolvida pelo UNICEF.

Conteúdos e estratégias do processo de mobilização e formativo:

Em relação às competências que serão adotadas como conteúdos formativos dos adolescentes e jovens, vale ressaltar que o mapeamento das mesmas foi realizado pelo UNICEF em decorrência da compreensão de que os adolescentes ao mesmo tempo que avançam em seu desenvolvimento vão cada vez mais definindo sua identidade e tudo o que a caracteriza, a partir das interações diversas que realizam com outros sujeitos no seu universo circundante. Nessa jornada, necessitam participar, dialogar, conviver com pessoas e conhecimentos diversos para irem desenvolvendo suas competências.

As competências estão relacionadas com os conhecimentos gerais apreendidos no âmbito da sociedade, da cultura, da política, das ciências; as habilidades que lhes possibilitam fazer coisas manuais ou intelectuais, com ferramentas diversas; as atitudes decorrentes do que aprendeu a ser na família e na sociedade, seus valores, posturas e posicionamentos.

Assim, o adolescente vai se tornando jovem e adulto ao mesmo tempo que aprende dentro e fora da escola e se engaja em lutas pelos seus direitos. O UNICEF prioriza  5 desses direitos, em suas ações, que são:

O Direito de sobreviver e se desenvolver;

O Direito de aprender;

O Direito de crescer sem violência;

O Direito de proteger(-se) do HIV/aids;

E o Direito de Ser Adolescente.

No processo de mobilização e formação de adolescentes e jovens para participação cidadã nos territórios irradiadores da PCU serão usados como conteúdos a comunicação e os esportes com metodologia que possibilitarão aos adolescentes e jovens, de modo contínuo, desenvolverem criativa e autonomamente novas ideias e competências. Entretanto, partiremos da matriz das competências sistematizada pelo UNICEF, a partir do agrupamento das mesmas nas três categorias apresentadas, ou seja:

  1. Conhecimento – aprendizagem de conteúdos sociais, culturais, científicos, metodológicos e técnicos;
  2. Habilidades – construção de competências operacionais e metodológicas;
  3. Atitude – construção do autoconhecimento e de posturas de autodefesa, proteção, ética e solidária

A finalidade é possibilitar o desenvolvimento de

– conhecimentos acadêmicos nas diferentes áreas: ciências, finanças, socioambientais, política, esportes, arte, mídias, tecnologias

– sensibilidade estética, fruição

– pensamento analítico, autônomo

– atitudes de luta por direitos

– atitudes que levem a assumir responsabilidades

– comunicação interpessoal

– gerenciamento de conflitos de forma saudável e positiva, inclusive conflitos intergeracionais

– mediação e negociação

– participação em processos decisórios na esfera social e política

– uso de novas tecnologias da informação e comunicação e ter uma visão crítica da mídia

atitude ambiental responsável

– atitude de respeito à diversidade

– atitude financeira responsável

– atitude saudável pela prática de esportes

– defesa da ética,  respeito às coisas públicas e  mecanismos de controle social

– autoconhecimento, a autoestima e a autoconfiança

– relações interpessoais, afetivas e sustentáveis no âmbito da família e da comunidade

– prevenção das doenças em geral e proteger os outros e a si mesmo das DST e do HIV/AIDS

Para o desenvolvimento dos adolescentes em seu processo educacional será estimulada sua participação mais ativa na comunidade, propondo, mediando, experimentando sua autonomia e criatividade, atuando, exercendo passo a passo a sua cidadania. Nesse sentido, as ações de reaplicação dos adolescentes e jovens serão em escolas públicas do território: uma de ensino fundamental e uma de ensino médio.

Serão realizadas em cada território três rodadas de oficinas mobilizadoras articulando conteúdos centrais relativos aos eixos indutores da PCU (incidência em políticas púbicas, redução de desigualdades, participação de adolescentes e jovens); conteúdos estratégicos de áreas temáticas de esporte e comunicação; e conteúdos transversais: as competências. 

1ª Rodada:

OFICINAS – MOBILIZANDO PARA A PARTICPAÇÃO NA PCU

– O que é a PCU?

– Indicadores sociais e equipamentos públicos no território

– Como queremos nosso território? Nossa cidade?

– Como participar?  Como mobilizar mais adolescentes e jovens?

– Planejando o mapeamento de organizações e grupos juvenis do território.

– Planejando a participação nos Fóruns.

– Competências na comunicação 

2ª Rodada:

OFICINAS – QUEM SOMOS? ONDE ESTAMOS? O QUE PODEMOS FAZER?

– Resultado do mapeamento

– Como melhorar nossa realidade? Como incidir?

– Como mediar? Competência de mediação através da prática dos Esportes3

– Campanha a Cidade que Queremos!

– Avaliando e replanejando nossa participação nas ações da PCU.

3ª Rodada:

OFICINAS – CONSTRUINDO UMA AGENDA TERRITORIAL

Pretende-se com essas oficinas o fortalecimento da participação cidadã dos adolescentes e jovens em seus territórios e municípios, fomentando entre eles a reflexão crítica sobre sua realidade e a importância da participação política e social dos mesmos para a construção de uma cidade melhor. Esses adolescentes também serão convidados a se aproximarem das atividades da Plataforma dos Centros Urbanos, desenvolvida pelo UNICEF, bem como convidados a criarem Fóruns da Juventude em cada território.

Acredita-se que à medida que os adolescentes e jovens dos territórios estiverem inseridos em diálogos constantes com outros adolescentes, jovens, educadores, adultos, órgãos públicos e com outros setores de cada sociedade local se ampliará seu processo formativo e de envolvimento com o debate sobre a oferta e a cobertura de políticas públicas, ou mesmo sobre temáticas que lhes interessem diretamente.

O papel dos adolescentes e jovens também será reaplicar em  equipamentos públicos, organizações sociais e comunidades do território o conhecimento adquirido nos encontros de formação (oficinas) e provocar a discussão mais ampliada sobre a cidade que temos e queremos.

Objetiva-se dessa forma envolver, ouvir e dar voz a crianças, adolescentes e jovens maranhenses na discussão sobre a cidade que desejam. Para fortalecer essa iniciativa será ampliada a campanha com o tema “A cidade que queremos”, desenvolvida em 2013 pelo Projeto Centrais de Mídias, na qual se pretende estimular a produção de textos, áudios, vídeos, entre crianças e adolescentes dos territórios envolvidos na ação. Para essa ação será instalada uma tenda-estúdio móvel Central de Mídias Alternativas (Incubadora de Artes, Mídias e Tecnologias) e uma exposição itinerante que vai gradativamente sendo composta com histórias de vida (biografias – em áudio, fotografia, vídeo ou em pôster).

Todas as produções realizadas para a campanha e ação contínua no projeto e pós-projeto no território serão publicadas no blog Adolescentes Mobilizados. Além da exposição será postada na internet a série de depoimentos e posters com as biografias (autorizadas) de adolescentes e jovens.

Os adolescentes e jovens mobilizados participarão ativamente dos Fóruns Comunitários da PCU e serão estimulados e orientados para articularem os Fóruns da Juventude nos Territórios.

Principais ações a serem desenvolvidas pelo Instituto Formação na PCU, apoiadas pelo UNICEF:

  1. Mapeamento de grupos e articulações de adolescentes e jovens que atuam na cidade e em cada um dos territórios prioritários definidos pela Prefeitura, para a PCU.
  2. Articulações específicas com a Secretaria de Esportes e Juventude, com o Conselho Municipal de Juventude e com Fóruns de Juventudes.
  3. Apresentação da PCU para os grupos de adolescentes de cada território e proposição do ciclo de capacitações “Competências para a Vida”, como preparação para a atuação deles na Plataforma.
  4. Realização de 3 oficinas em cada um dos 10 territórios prioritários.

Premissas:

  1. No máximo 30 adolescentes em cada oficina.
  2. Definição das competências a serem trabalhadas, pelos próprios adolescentes.
  3. Oficinas com parte discursiva baseada no “Competências para a Vida” e parte prática voltada para comunicação e mobilização social.
  4. Incentivo à participação dos adolescentes no Fórum Territorial da sua comunidade;
  5. Oficina pós-Fórum para traçar estratégias de mobilização para o Plano de Ação Territorial, focadas em um dos indicadores prioritários para o território;
  6. Realização do Encontro de Jovens de todos os territórios, com a formação do Fórum Jovem da PCU em São Luís – Realizado em parceria com a Prefeitura de São Luís.

Exposição “Eu, meu lugar, os esporte e o meu desenvolvimento”

#Um olhar da comunidade sobre a comunidade.

Pelas lentes fotográficas, adolescentes e jovens de cinco cidades maranhenses (Matinha, Olinda Nova do Maranhão, São Bento, Soão Batista e São Luis) e de uma região do Amazonas (são Gabriel das Cachoeiras) registraram cenas do cotidiano que nem sempre são apresentadas ao público pelos meios de comunicação.

Parte das imagens deste acervo foi produzida durante oficinas de fotografias realizadas nesses municípios por especialistas da organização.

Objetivo desta exposição é torna cada vez mais visível os diferentes olhares que existem na sociedade sempre com o uso do plural quando falamos em protagonistas, pois a história é feita por muitas cabeças corações e mãos.

foto

Foto1

foto3

foto4

foto5

foto6

 

foto7

 

foto8

foto10

foto11

parte2_foto1_web

parte2_foto2_web

parte2_foto4_web

 

Mostra fotográfica: Campanha a cidade que queremos.

horizonte

 

direitos

Imagem

Participem do Prêmio!

Conheçam o regulamento:  premiojc.wordpress.com

Premio-Jovem-Comunicador-2014_frente

Seminário Central de Mídias Alternativas

Central_de_Mídias_rejuven _2

Uma cidade com mais segurança, educação e oportunidades.

Esses são alguns dos desejos expressados por adolescentes maranhenses que participaram da campanha “A Cidade que Queremos”, lançada através do Projeto Adolescentes Mobilizados – Central de Mídias Alternativas, concebido e coordenado pelo Instituto Formação, com apoio do Unicef e Wella.

Parte das mensagens registradas em vídeos e fotografias produzidas pelos próprios adolescentes serão apresentadas durante o Seminário Central de Mídias Alternativas, que acontece nesta sexta-feira (25/04), no auditório do CEM Liceu Maranhense, em São Luís.

Adolescentes e jovens maranhenses de vinte e cinco cidades, que participaram das oficinas do projeto, foram convidados para o seminário que se constituirá como um espaço para reflexões e debate sobre o papel de cada um na construção da cidade desejada.

Também foram convidados para este momento professores e diretores de escolas envolvidas nas atividades da campanha, além representantes de organizações sociais e instituições maranhenses que também desenvolvem atividades com adolescentes e jovens para a construção de uma cidade melhor.

Campanha A Cidade que Queremos

A campanha “A Cidade que Queremos” está inserida no âmbito do Projeto Adolescentes Mobilizados – Central de Mídias Alternativas, concebido e coordenado pelo Instituto Formação com apoio do Unicef e Wella.

As oficinas realizadas no ano passado em diferentes pólos do estado contaram com a participação de aproximadamente duzentas pessoas de vinte e cinco municípios, sendo cento e setenta adolescentes, que discutiram temas como participação social, direitos e a relação entre mídia e realidade.

As discussões foram entremeadas por oficinas práticas de vídeo e fotografia, ministradas por especialistas da organização.

A produção realizada nas oficinas de mídias teve como conteúdo principal a discussão sobre a cidade que queremos. Objetiva-se dessa forma envolver, ouvir e dar voz a crianças e adolescentes maranhenses na discussão sobre a cidade que desejam.

Parte dessa produção está publicada no blog https://adolescentesproseloma.wordpress.com/, outra parte será apresentada durante o seminário, mediante a realização de uma mostra de vídeos e uma exposição fotográfica produzida pelos adolescentes.

Sobre o projeto

O Programa de Formação de Adolescentes Comunicadores – Linha Central de Mídias Alternativas foi desenvolvido em quatro pólos, localizados em regiões diferentes do estado:

Polo 1 – Região Tocantina

Polo 2 – Baixada Maranhense (1)

Polo 3 – São Luís

Polo 4 – Baixada Maranhense (2)

O objetivo principal do projeto foi o fortalecimento da participação cidadã dos adolescentes em suas comunidades e municípios, fomentando entre eles a reflexão crítica sobre sua realidade e a importância da participação política e social dos mesmos para a construção de uma cidade melhor.

Acredita-se que à medida que os adolescentes das cidades contempladas estiverem inseridos em diálogos constantes com outros adolescentes, jovens, educadores, adultos, órgãos públicos e com outros setores de cada sociedade local se ampliará seu processo formativo e de envolvimento com o debate sobre a oferta e a cobertura de políticas públicas, ou mesmo sobre temáticas que lhes interessem diretamente.

O papel dos adolescentes também foi de reaplicar em duas escolas públicas do município o conhecimento adquirido nos encontros de formação, ampliando a discussão cidade sobre a cidade que temos e queremos.

Seminário Central de Mídias Alternativas

Tema: Adolescentes e Jovens Mobilizados para a cidade que queremos

Local: CEM Liceu Maranhense

Data: 25 de abril de 2014

Programação:

8h30 – Credenciamento

9h – Abertura

9h15 – Ciranda de Vozes: O papel do adolescente e do jovem na construção da cidade que queremos.

10h30 – A experiência do Projeto Adolescentes Mobilizados – Central de Mídias Alternativa

11h – Mostra “A Cidade que Queremos” – Exposição vídeos – A Cidade que queremos

12h – Intervalo para almoço

13 h – Mostra “A Cidade que Queremos” Exposição Fotográfica – A Cidade que queremos

14h – Painel – Outras iniciativas que articulam Formação de adolescentes e jovens e a cidade que queremos

16h – Lançamento do IV Prêmio Jovem Comunicador